Um dos filmes nacionais mais aguardados de 2018 é Rasga Coração, adaptação de uma peça consagrada de Oduvaldo Vianna Filho (Vianninha) que tem a direção de Jorge Furtado, o elenco reúne Marco Ricca, Chay Suede, Luisa Arraes, Drica Moraes, George Sauma e João Pedro Zappa. O texto teatral, que mostra o conflito de gerações entre um pai e um filho, foi concluído em 1974 pouco antes da morte do dramaturgo aos 38 anos vítima de câncer pulmonar. A trama da peça é ambientada durante a ditadura militar, para atualizar os temas de Rasga Coração Jorge Furtado e os roteiristas Ana Luiza Azevedo e Vicente Moreno decidiram trazer o enredo para maio de 2013, no auge das manifestações que marcaram aquele ano.

A sinopse do filme resume a trama:

Manguari Pistolão (Marco Ricca) é ao mesmo tempo um herói e um homem comum. Atuante na militância em boa parte da vida, agora ele terá que enfrentar o mesmo que seu pai enfrentou: o seu filho Luca (Chay Suede) pretende deixar a faculdade de Medicina e ingressar de vez no movimento hippie. Em um crescente conflito com as escolhas do filho, ele verá seu passado sendo reinventado na figura dele.

O título de Rasga Coração é uma referência a uma música de Anacleto de Medeiros, que em 1912 recebeu a letra de Catulo da Paixão Cearense, a canção é cantada várias vezes durante o espetáculo. Oduvaldo Vianna Filho teve uma carreira brilhante e breve como autor teatral, nasceu em 1936 e escreveu Chapetuba Futebol Clube, sua primeira peça em 1959. O talento de Vianninha veio do berço pois ele era filho de Oduvaldo Vianna, outro importante dramaturgo que fez história no teatro brasileiro.

Figura vital do Teatro de Arena de São Paulo, Vianninha dirigiu e escreveu as peças A Mão na Luva, Papa Highirte e Allegro Desbum nas quais desenvolveu seu estilo pessoal que utiliza a linguagem popular e faz duras críticas à personalidade do brasileiro comum e ao quadro político e social do país. Em 1973 Vianninha e Armando Costa criaram a primeira versão de A Grande Família, o seriado logo se tornou um grande sucesso da Rede Globo. Censurada por cinco anos, Rasga Coração se tornou um símbolo na luta contra a ditadura, somente em 1979 a peça foi encenada pela primeira vez em Curitiba, o elenco tinha Vera Holtz, Raul Cortez e Ary Fontoura. Até Nelson Rodrigues gostou de Rasga Coração, ele considerou o texto de Vianninha uma das mais belas obras-primas do teatro realizado no país.

Raul Cortez na primeira montagem de Rasga Coração

O filme será o sexto longa-metragem de ficção dirigido por Jorge Furtado, para o cinema ele também dirigiu os documentários O Mercado de Notícias e Quem é Primavera das Neves. O cineasta falou sobre Rasga Coração para o jornal O Globo:

Com a esquerda no poder, e dando certo, a peça parecia datada. Agora, infelizmente, voltou a ser terrivelmente atual. Vianninha fala de desilusão com a política, de um ex-militante de esquerda que chora com miséria e injustiça, de um país sem rumo, de uma juventude que não quer saber de partido, que quer discutir gêneros. As adaptações foram mínimas.

Anúncios